No mês em que é comemorada a Consciência Negra, a Secretaria Municipal de Educação promove o projeto Era Uma Vez, uma festa literária que traz o tema “Africanidades, Relações Étinico-raciais e Literatura”. São diversas atividades voltadas para crianças, jovens e adultos, com contação de histórias, oficinas, rodas de conversas, capacitações, exposições, entre outras.
A abertura aconteceu nesta quarta-feira (7), no Solar da Baronesa e contou com a presença do prefeito Delegado Christiano Xavier, do vice Pastor Sérgio, do Secretário Municipal de Educação, Ermelindo Caetano, da Superintendente de Modalidades e Temáticas Especiais de Ensino da Secretaria de Estado de Educação, Iara Viana, profissionais da educação, entre outros.
“Em um momento de grandes dificuldades, promover um evento de tanta alegria, com uma riqueza cultural tão grande e temas importantes como as relações étnico-raciais nos traz muita alegria. Estamos em um local de grande valor histórico para a cidade, recebendo exposições de alunos e artistas para um debate valioso e essencial para nossa cidade”, frisou.
“O Brasil tem sua formação básica, em maior parte, construída pelas mãos dos negros. Minha família é de ascendência negra. Então, falar disso olho no olho, sobre o lugar do negro na sociedade é muito importante. Isso faz parte da história da nossa cidade. Nos sentimos honrados em fazer parte desse momento”, completou o vice-prefeito Pastor Sérgio.
Na solenidade, de forma lúdica, canções que falam sobre a história dos afrodescendentes foram entoadas pelas cantoras Jussara Nunes e Elzelina Dóris. A representante da Secretaria de Estado de Educação ressaltou a importância da temática fazer parte do currículo escolar. “Um momento como esse em uma cidade que comporta uma população em sua maioria formada por negros e negras é fundamental, não só no mês de novembro, mas em todo ano. É necessário que nossos projetos políticos pedagógicos contemplem uma discussão para que escolas e universidades se tornem antirracistas. É uma das lutas que precisamos alavancar para que negros e negras, crianças e jovens, alcancem seus espaços universitários, de poder e de liderança, para que a equidade enfim prevaleça”, disse Iara Viana.
A superintendente entregou nas mãos do Secretário Municipal de Educação uma coleção de livros sobre a história da África, que será encaminhada para todos os professores da rede municipal de ensino e também entregou ao prefeito o Selo de Afroconsciência, que reconhece o empenho do município em garantir que sejam aplicadas políticas afirmativas em relação aos afrodescendentes.
As atividades da Festa Literária seguem até o dia 9, e acontecem em três espaços: Solar da Baronesa, Teatro Municipal Antônio Roberto de Almeida e Faculdade de Santa Luzia. A programação está disponível no site www.santaluzia.mg.gov.br